Madame Grès

Uma das mulheres mais cérebres da moda francesa, Madame Grès (1903-1994), antes Alix Barton, é  representante da geração de costureiras como Chanel, Vionnet, Schiaparelli e Jeanne Lanvin.

Ela quis ser escultora e depois bailarina. Sonhava com a costura sem dedal e sem agulha. Nos anos 1940, tudo isso  tornaria a ser sua  identidade, com uma costura arquitetônica e seus drapeados à Grès. Lucien Lelong, então presidente da Chambre Syndicale de la Haute Couture, foi seu grande incentivador pela continuidade do trabalho através de tempos de guerra e paz. Seu marido se chamava Serge Czrefkov, cujo prenome era quase um anagrama do nome de sua maison: Grès.

“É necessário haver o desejo de fazer qualquer coisa com qualquer coisa. Estes vestidos drapeados, dizem ser antigos. Mas nunca me inspirei no antigo. No tempo em que este tecido não existia (jérsei de seda finíssimo), eu não tinha a idéia de fazer drapeados. Mas desde que o encontrei, o tecido tem caído no lugar por si próprio. Os escultores gregos fizeram suas esculturas a partir de tecidos que dispunham.” Ela parece haver misturado seu sangue ao de Ictinos e Callicratès, arquitetos do cérebre Parthenon, mestre da ordem e da propoção. “Para mim é a mesma coisa trabalhar o tecido ou a pedra.”

Assim, seus vestidos esculpidos ocuparam seu lugar legítimo no Musée Bourdelle, este ano, em Paris.

Os drapeados minunciosos foram ferramentas de Grès na construção tridimencional da roupa em proporções visionárias, eternamente belas.

Referência:

BENAIN, Laurence. Mémoir de la mode: Grès. Paris: Assouline, 1999.

Madame Grès: la couture à l’oeuverture . Catálogo da exposição. Paris: Musée Bourdelle, 2011.

novos videos

ilustração: Nelson Kume

O que tem em comum a indumentária grega, a liberdade de Vionnet e as inovações de Alber Albaz para Lanvin?

Moda, modos de vestir e existir, de modo bem geral.

Num olhar mais perspicaz na construção, mudaram a matéria prima, mas todos eles usaram os princípios do corte em VIÉS e DRAPEADOS.

Estes são os Lançamentos dos dois novos vídeos. Escreva e veja como desenvolver estas técnicas na Moulage.

Drape Drape

Drape Drape é o título do livro da autora Hisako Sato.

No seu conteúdo traz 17 modelos, entre vestidos, saias, calças, túnicas e tops.

A visão geral desde a utilização dos moldes até a costura, dá informação de boa qualidade, coerente com o alto nível técnico dos padrões nipônicos. São apresentados os materiais e equipamentos: linhas, agulhas, máquinas (overloque, interloque, reta, ziguezague), tecidos e interpretação da simbologia utilizada. Qualquer um pode ter os looks apresentados. Não importa se possui uma máquina de costura doméstica ou uma indústria de confecção.

Os looks, com raríssima exceção é totalmente harmoniosa com a expressão da moda contemporânea e muito coerente com a estética ocidental do momento. É jovem, arrojada e moderna. Há momentos em que a sofisticação da Moulage é tamanha que pode lembrar a forma de pensamento de Vionnet, a estilista visionária, de vanguarda dos anos 1930.

Só depois de montada a peça e vestida no corpo é que se tem uma idéia real dos shapes, volumes e caimento. Assim, a modelagem dada envolve excelente nível de desenvolvimento e elaboração.

O livro não se trata do ensino do método de moulage. É uma coleção de looks que acompanha todos os moldes prontos. Interessante que há quatro tamanhos – S – M – ML – L, cujos tamanhos de busto são: 78 – 82 – 86 – 90cm. Pequenos para o nosso mercado, mas coerente com as japonesas. Uma cultura um pouco diferente da que estamos acostumados, onde o governo, estimula o combate à obesidade, no cuidado de uma população que diminui com o decorrer do tempo.

O livro é escrito em japonês. Mas pela clareza de seus desenhos técnicos e a qualidade gráfica da informação, com um pouco de conhecimento é possivel vestir esses belos looks!!!

Para que tem acesso no Japão, o livro pode ser encontrado no books.bunka.ac.jp

Aqui em São Paulo conseguimos sob encomenda na Livraria Sol, na Praça da Liberdade, no bairro da Liberdade.

Review Amazon:

http://www.amazon.com/Drape-Vol-Japanese-Book/product-reviews/B003UNCJ76/ref=cm_cr_dp_all_helpful?ie=UTF8&coliid=&showViewpoints=1&colid=&sortBy=bySubmissionDateDescending

Madeleine Vionnet, purista da moda

Madeleine Vionnet:
“A sua carreira é marcada pela investigação de liberdade, através de um ornamento de um grande refinamento, semelhante ao drapeado da antiguidade, que libera o corpo para melhor valorizar as suas formas naturais. Madeleine Vionnet transformou radicalmente a concepção do vestuário, baseado no corte em viés, naturalmente fluida. É uma referência incontestável para numerosos designers de hoje, de Azzedine Alaïa à Yohji Yamamoto.”
 
Esta é parte do texto do catálogo da exposição que se encerra em 31 de janeiro de 2010.
Les Arts Décoratifs – Mode et tex­tile
107, rue de Rivoli
75001 Paris