J’adore: Moda

J’Adore.

Muito além de roupa, a moda é um produto. Não um produto comercial simplesmente, mas é resultado do fazer das pessoas. Essa escolha do ofício pode vir da observação das possibilidades do mundo, da natureza abundante e exuberante, da vida, do convívio com pessoas sábias e virtuosas, enfim pela admiração e entrega. Moda é um estado a ser conquistado e aprimorado, dia após dias, passo a passo. É como uma aliança, um matrimônio, que se eleva e se leva pelo namoro leve e eterno, regando essa plantinha todos os dias.

Neste video, que também tem uma versão longa, mostra o processo de elaboração do perfume, desde a colheita das flores até a embalagem, passando por diferentes partes do mundo e pelo trabalho de muitas mãos.

Anúncios

Poesia em superfícies têxteis

Amy Butler.

Paixão, inspiração e dedicação, seriam pouco para descrever esta designer.

Estar rodeada de coisas e pessoas belas, estar presente para a exuberância da natureza fazem com que o produto seja reflexo dessa experiência de prazer de ver e viver.

Tropicalismos de Leila Costa

Acessórios Lilac, da designer Leila Costa

Leila Costa, com sua marca LILAC, é designer , pós-graduada em Moda pelo IED/IESB, Brasília-DF. Em seu projeto de conclusão de curso apresentou “Tropicália e Tropicalismos”, onde a inspiracão vem dos elementos da natureza tropical aliados aos ideais tropicalistas dos renomados artistas brasileiros. Hélio Oiticica, que fez dos anônimos e dos excluídos, autores e atores participantes da sua criação e Lygia Clark, com seus “Bichos”, onde a mão participativa do expectador confere o valor artístico à obra de arte.

Leila, que tem desenvolvido acessórios bordados, agora inicia um novo empreendimento, com o incremento de vestuário feminino. Contemporânea, jovial e colorida,  prova sua paixão pelo minucioso e bem cuidado trabalho manual. No tropicalismo encontrou um caminho para expressividade de sua visão do seu entorno, do momento,  suas manifestações e suas transformações. Seu trabalho causa nas pessoas um sentimento raro e muitas vezes esquecido: o encantamento!

Leila, não precisou se distanciar tanto de nossa terra, como no exílio de Casimiro de Abreu, para perceber os tesouros que temos nas måos.

Para contar Leila Costa: leila_raquel@hotmail.com

MINHA TERRA

Casimiro de Abreu

Todos cantam sua terra,
Também vou cantar a minha,
Nas débeis cordas da lira
Hei de fazê-la rainha;

– Hei de dar-lhe a realeza
Nesse trono de beleza
Em que a mão da natureza
Esmerou-se em quanto tinha.

Correi pr’as bandas do sul:
Debaixo dum céu de anil
Encontrareis o gigante
Santa Cruz, hoje Brasil;
– É uma terra de amores
Alcatifada de flores
Onde a brisa fala amores
Nas belas tardes de Abril.

Tem tantas belezas, tantas,
A minha terra natal,
Que nem as sonha um poeta
E nem as canta um mortal!
– É uma terra encantada
– Mimosa jardim de fada –
Do mundo todo invejada,
Que o mundo não tem igual.

Não, não tem, que Deus fadou-a
Dentre todas – a primeira:
Deu-lhe esses campos bordados,
Deu-lhe os leques da palmeira,
E a borboleta que adeja
Sobre as flores que ela beija,
Quando o vento rumoreja
Na folhagem da mangueira.
É um país majestoso
Essa terra de Tupã,
Desd’o Amazonas ao Prata,
Do Rio Grande ao Pará!
– Tem serranias gigantes
E tem bosques verdejantes
Que repetem incessantes
Os cantos do sabiá.

Ao lado da cachoeira,
Que se despenha fremente,
Dos galhos da sapucaia.
Nas horas do sol ardente,
Sobre um solo d’açucenas,
Suspensas a rede de penas
Ali nas tardes amenas
Se embala o índio indolente.

Foi ali que noutro tempo
À sombra do cajazeiro
Soltava seus doces carmes
O Petrarca brasileiro;
E a bela que o escutava
Um sorriso deslizava
Para o bardo que pulsava
Seu alaúde fagueiro.

Quando Dirceu e Marília
Em terníssimos enleios
Se beijavam com ternura
Em celestes devaneios:
Da selva o vate inspirado,
O sabiá namorado,
Na laranjeira pousado
Soltava ternos gorjeios.
Foi ali, no Ipiranga,
Que com toda a majestade
Rompeu de lábios augustos
O brado da liberdade;

Aquela voz soberana
Voou na plaga indiana
Desde o palácio à choupana,
Desde a floresta à cidade!

Um povo ergueu-se cantando
– Mancebos e anciãos –
E, filhos da mesma terra,
Alegres deram-se as mãos;
Foi belo ver esse povo
Em suas glórias tão novo,
Brandando cheio de fogo:
– Portugal! Somos irmãos!

Quando nasci, esse brado
Já não soava na serra
Nem os ecos da montanha
Ao longe diziam – guerra!
Mas não sei o que sentia
Quando, a sós, eu repetia
Cheio de nobre ousadia
O nome da minha terra!

Se brasileiro nasci
Brasileiro hei de morrer,
Que um filho daquelas matas
Ama o céu que o viu nascer;
Chora, sim, porque tem prantos,
E são sentidos e santos
Se chora pelos encantos
Que nunca mais há de ver.

Chora, sim, como suspiro
Por esses campos que eu amo,
Pelas mangueiras copadas
E o canto do gaturamo;
Pelo rio caudaloso,
Pelo prado tão relvoso,
E pelo tiê formoso
Da goiabeira no ramo!

Quis cantar a minha terra,
Mas não pode mais a lira;
Que outro filho das montanhas
O mesmo canto desfira,


Que o proscrito, o desterrado,
De ternos prantos banhado,
De saudades torturado,
Em vez de cantar – suspira!

Tem tantas belezas, tantas,
A minha terra natal,
Que nem as sonha um poeta
E nem as canta um mortal!

Depois… o caçador chega cantando,
À pomba faz o tiro…
A bala acerta e ela cai de bruços,
E a voz lhe morre nos gentis soluços,
No final suspiro.

E como o caçador, a morte em breve
Levar-me-á consigo;
E descuidado, no sorrir da vida,
Irei sozinho, a voz desfalecida,
Dormir no meu jazigo.

E – morta –  a pomba nunca mais suspira
À beira do caminho;
E como a juriti, – longe dos lares –
Nunca mais chorarei nos meus cantares
Saudades do meu ninho!

Lisboa – 1857

http://www.casimirodeabreu.com