Dior e Valentino: novas direções

 

Maison Dior dá boas-vindas e, conta com uma mulher, pela primeira vez em sua história, na direção de criação de coleções femininas.

MariaGraziaChiuri_Dior_Jul2016
Pierpaolo Piccioli, Maison Valentino e Maria Grazia Chiuri, Maison Dior.Fonte: fr.fashionmag.com

Maria Grazia Chiuri e Pierpaolo Piccioli, foram colegas no IED Roma. Em 1999 são convidados por Valentino Garavani para criar a linha de acessórios da marca.

Em 2007, Valentino afasta-se da direção criativa, assumindo o cargo, Chiuri e Piccioli.

Em 2008, são nomeados co-diretores criativos da Valentino, desde o prêt-à-porter à alta-costura.

Em 7 de julho de 2016, Maria Grazia Chiuri passa a ser a diretora criativa da Dior.

Pierpaolo Piccioli, antes na co-direção, é nomeado o diretor criativo da Maison Valentino.

Sidney Toledano, CEO da Christian Dior Couture, disse: “Estou muito feliz com a chegada de Maria Grazia Chiuri na Maison Dior. Sua visão sobre as mulheres, tão sensual e poética, entra em ressonância com Monsieur Dior. Sua experiência em alta costura e sua paixão pelo fazer artesanal poderão contar com a experiência excepcional de nossos ateliers”

Anúncios

Alegria de Viver!

Onde quer que você esteja, seja com quem estiver, lembre-se sempre do grande presente do momento presente!

E para este novo ano, novo ciclo da vida, permita-se abrir os olhos e ver as coisas que estão tão próximas e são tão inspiradoras! Sonhe com o seu futuro e, a cada momento, entregue-se à alegria de viver, do seu próprio jeito!

Feliz 2013!

Inspire-se nos grandes mestres!

Rosas: sublime inspiração na joalheria

Joaillerie – le Bal des Roses, prova mais uma vez que quando nos falta inspiração, seja no design ou em qualquer campo de nossas vidas, a natureza está eternamente presente com exuberância, fartura, fortúnio, vivacidade, em infinitude de formas, cores, contrastes.

Aqueles que se dispuserem a dar-se uma pausa para a contemplação poderão também utilizar-se dela em cada gesto, na sua máxima forma de expressão.

Navy

Christian Dior, por John Galliano, na colecão pret-a-porter primavera 2011, prova mais uma vez que o detalhamento da peça – recortes, pespontos, misturas, diferentes materiais, diferentes texturas e aviamentos – proporciona um diferencial de riqueza ao conjunto dos seus elementos de matéria, tecnologia, técnica, qualidade e estilo. A coleção, tem toques “navy” (marinheiro), masculino, florais e Havaí, numa inspiração que remete ao Sul do Pacífico.

Modelo: Lee Hye Jung.  Foto: Yannis Vlamos.  Style.com

Yves Saint Laurent

Yves Saint Laurent, 1983. Photo: Irving Penn.
YSL e Edia Vairelli no studio da Av. Marceau, 5, 1982. Foto: Pierre Boulat.
Dovima et les éléphants, 1955. Foto: Richard Avedon.
Coleção alta-costura Primavera-Verão 1988. Homenagem a Vincent van Gogh.

Detalhe de peça da coleção Primavera-verão 1998.

Croqui de peça da coleção de alta-costura, Primavera Verão 1989.
Croqui de peça da coleção de alta-costura, Primavera Verão 1989.

“Yves Saint Laurent”, é a exposição no Petit Palais – Musée des Beaux-Arts de la Ville de Paris. Desde 11 de março. Encerra-se em 29 de Agosto de 2010.

As imagens acima são do catálogo da exposição, sob curadoria de Florence Müller e Farid Chenouque.

A vida e obra do estilista, nascido em 1936. Trabalhou na maison Dior, lançou “a linha trapézio em 1958″… “e nos anos de 1960, abriu sua própria maison, com idéias também inovadoras em suas criações, especialmente o tubinho com desenhos do pintor Mondrian.” (Braga, 2008, p. 87)

Dotado de vasto repertório cultural homenageou diversos artistas, entre eles Vincent van Gogh, Serge Poliakoff, Pablo Picasso, Tom Wesselmann, Jean Cocteau, Georges Braque (num vestido em editorial de 1998 com a então modelo Carla Bruni, atual primeira-dama). No fim da década de 1960, lançou para mulheres o conjunto de calça comprida e paletó. Desde então a moda tornou-se reflexo de comportamento e identidade ideológica.  Revival, glam, tribos nos anos de 1970. A multiplicidade nos anos de 1980, à identidade mistureba dos anos de 1990. Ele atravessou tudo isso, impondo estilo e estética totalmente particular, deixando sua marca inconfundível.

Muito além dos mais de 300 looks expostos, da documentação de sua produção, dos ídolos, das musas e dos admiradores-adoradores, Yves Saint Laurent nos deixou um grande, único e eterno legado: estilo com atitude!

FLORENCE, Müller, FARID, Chenouque. Yves Saint Laurent. Paris: Éditions de la Martinière, 2010.

BRAGA, João. História da Moda, uma narrativa. São Paulo: Ed. Anhembi Morumbi, 2008.

moda que inspira a música

Vestido Dior, Couture outono 2009; foto: Simone Manzo; http://www.style.com

“Eu sonhei que tu estavas tão linda

Numa festa de raro esplendor

Teu vestido de baile lembro ainda

Era todo branco meu amor

A orquestra tocou uma valsa dolente

Tomei-te nos braços, fomos

dançando ambos silentes…

…violinos enchiam o ar de emoções…”

Canção: Eu sonhei que tu estavas tão linda

de: Lamartine Babo e Francisco Matoso

com as mãos, o ser humano é capaz de criar coisas belas

 

                                                                              

  

 

 

“Pelas suas técnicas prodigiosas, o homem ultrapassa, ao que parece, os contextos do seu próprio pensamento”.

 Gaston Bachelard, poeta e filósofo francês

Dior por Galliano, coleção Couture primavera 2009, foto de Matteo Volta/Imax Tree

fonte da imagem: www.style.com

Simone Nunes Coleção Primavera Verão 2009 2010

Simone Nunes primavera verão 2009 2010

Consultoria para a coleção de Simone Nunes em Moulage, Costura e Acabamentos. Nesta coleção, desntre os elementos exaltados estava o primor no acabamento. Para isto, recorreu-se às clássicas técnicas e soluções utilizadas nas grandes grifes francesas, tal como a Maison Dior. O avesso que , originalmente contem a informação de todo o trabalho, nesta coleção foi colocado na parte externa.

fonte:

http://msn.lilianpacce.com.br/tag/simone-nunes/

Fotos: Marcio Madeira